Claudia Collar

Vamos falar de terapia ocupacional

O que é Terapia Ocupacional e para que serve?

Sempre que conto a alguém que sou Terapeuta Ocupacional percebo a dúvida, embora nem sempre formulada em palavras: afinal, o que é e quais são os benefícios da Terapia Ocupacional? Como saber se preciso de um terapeuta ocupacional?

O Terapia Ocupacional (TO) trabalha com vistas à saúde, ao bem-estar e à participação na vida pelo envolvimento das pessoas nas ocupações. Mas o que são ocupações? Ocupações são todas as atividades que realizamos na nossa rotina do momento que acordamos até ir dormir incluindo como nos preparamos para o sono. Existe uma categorização de ocupações, como exponho a seguir:

  • Atividade de vida diária (AVD): cuidado do indivíduo com seu próprio corpo. Exemplos de AVD são o banho, o vestir e o despir, comer e deglutir, andar, realizar higiene pessoal e ter atividade sexual.
  • Atividade instrumental de vida diária (AIVD): apoio à vida diária dentro de casa e na comunidade. A AIVD exige interações mais complexas. Exemplos são cuidar de outras pessoas, educar ou estimular os filhos, gerenciar finanças, saúde e lar. A espiritualidade também está neste item.
  • Descanso e sono: envolve descansar e preparar-se para o sono. Essa ocupação é importante para realizar de forma satisfatória todas as demais.
  • Educação: está relacionada a aprendizagem e/ou participação formal do ambiente de ensino, colégio, técnico, graduação ou outros.
  • Trabalho: desde o preparo para buscar o emprego até o desempenho profissional.
  • Brincar: atividade que produza satisfação, alegria e seja divertida, sendo esta exploratória ou que exija habilidades.
  • Lazer: atividade realizada em tempo livre e que não envolva ocupações obrigatórias.
  • Participação social: atividade que exige inter-relação das ocupações, pois na maioria das outras ocupações existem outras pessoas envolvidas, sejam no ambiente domiciliar, na educação, no trabalho ou amigos.

Que fatores influenciam nas ocupações?

Chamamos de fatores do cliente uma série de variáveis, como quem é a pessoa, quais seus valores, suas crenças, qual a influência da espiritualidade, onde vive, com quem vive, no que acredita (e se acredita), qual sua história.

Também é preciso levar em conta como estão as funções afetivas, emocionais, cognitivas, como ela se percebe, se tem alguma alteração de memória, atenção, pensamento, como estão funções sensoriais – visão, audição, tato, vestibular, proprioceptiva (perceber como está seu corpo no espaço) -, se tem dor ou doença, se tem alteração térmica (comum a pessoas com diabetes, que tiveram acidente vascular cerebral ou lesões periféricas). Além disso, avalia-se as funções neuromusculares, se tem lesões causadas por doença ou acidentes, como estão as estruturas do corpo (nervosa, de voz e fala, cardiovascular, imunológica, respiratória, digestiva, metabólica, endócrina e das estruturas relacionadas ao movimento).

Avaliamos também as habilidades motoras, habilidades processuais (responsáveis pela seleção, interação e uso de ferramentas e materiais) e habilidades de interação social, bem como quais são os padrões de desempenho (hábitos, rotinas, rituais e papeis), em que ambiente (físico e social) e contexto está inserido (cultura e características pessoais).

Por fim e não menos importante, o profissional de Terapia Ocupacional tem como objetivo alcançar a saúde, bem-estar e participação na vida, por meio do envolvimento nas ocupações, promovendo, facilitando, apoiando, com o objetivo de garantir autonomia e independência.

Como a Terapia Ocupacional pode me ajudar?

Se você tem alguma deficiência e quer se apropriar de sua vida sendo o mais independente e autônomo que puder, realizando suas atividades dentro e fora de casa ou não tem deficiência, mas se sente com dificuldade de realizar as suas atividades/ocupações, de trabalho, gerenciamento da rotina, atividades sociais/interpessoais, pai, mãe, cuidador de alguém com diagnóstico ou outras ocupações procure um terapeuta ocupacional que irá lhe ajudar na prática de sua vida, o que não consegue, por que e quais são os caminhos mais fáceis para ser autônomo e independente, o terapeuta ocupacional irá trabalhar com você e todas as suas redes sociais(familia, escola, trabalho, entre outras).

Eu desejo que você tenha autonomia e independência, além de que viver lhe seja leve.

Claudia Collar – Terapeuta Ocupacional