Claudia Collar

Dia 28/05 Dia Internacional da luta pela saúde da mulher

Mulher em luta:

Dia internacional da luta pela saúde da mulher, dia esse criado na Holanda em 1984 em função do numero de mulheres que morriam por complicações no parto. Parece irônico pensar que há necessidade de criação de datas para garantir o que deveria fazer parte do sistema de saúde.

Neste caso vamos lembrar um pouco sobre o que envolve ser mulher?

         Para a filósofa Simone Bonvoair, “Não existe uma mulher pronta e acabada”. No livro Segundo Sexo, a filósofa existencialista que divide opiniões, refere que primeiro existimos depois construímos nossa essência; Como mulheres somos construídas socialmente e culturalmente, portanto somos construídas e reconstruídas constantemente, ela defendia  que a mulher fosse igual aos homens no direito de escolhas, sendo responsáveis por seus atos, ações e destino, para ela, ninguém define o que é ser mulher senão ela mesma.

Vou usar o conto “Alice no pais das maravilhas”, quando a lagarta pergunta para alice quem és tu? Alice, se perde na resposta pois para ela era muito confuso ser pequena, ser grande e estar num mundo fantástico tudo no mesmo dia. Provoco a pensar, essas transformações do livro infantil, não acontecem conosco todos os dias? Somos filhas, mães, esposas, namoradas, amigas, donas de casa, empresárias, trabalhadoras, atletas, professoras, cozinheiras, faxineiras, entre tantas outras funções ou ocupações.

Eu mulher, sinto medo muitas vezes, MAS  há algum tempo, reconheço meus limites, inseguranças, limitações e aprendi  que é importante não deixar esses sentimentos me paralisarem, no inicio me movimentava mesmo com medo, depois de um tempo comecei a olhar para o que me paralisava e pensar: “medo, estou reconhecendo você, eu te entendo, mas pode ficar tranquilo, esta tudo certo..” da mesma forma para insegurança entre outras. Acredito que o segredo é reconhecer o que sentimos e irmos desbravando quem somos, escrevendo assim parece fácil não é? Pura fantasia é muito desafiador, mas faz parte do crescimento, não há como crescer sem se olhar profundamente.    

Por fim, o filósofo holandês Espinosa diz que o conhecimento é o mais potente dos afetos, porque a mente tem a força de afirmar e negar certas ideias, e este conhecimento é o caminho mais curto para a liberdade.

Claudia Collar – Terapeuta Ocupacional